">

sábado, 28 de setembro de 2013

Adivinha o que estou a ler! (#1)

O livro que me encanta neste momento, tem no início esta frase fantástica:

"Quando se vende um livro a uma pessoa, não se vende apenas trezentos e cinquenta gramas de papel, tinta e cola - vende-se uma vida nova. Amor e amizade e humor e navios no mar à noite - um livro, um livro à séria, contém todo o céu e a terra."

domingo, 22 de setembro de 2013

Filmes/Séries: Paulette

Acabei agora mesmo de ver este filme e ainda me doem os maxilares de tanto rir! Paulette é uma senhora já de uma "certa idade", mas muito empreendedora e bastante racista. Mora num bairro outrora bem frequentado e agora poiso de traficantes de droga e de todo o tipo de marginais. Farta de viver na miséria, ela resolve ser revendedora de haxixe. Curiosamente, é muito bem sucedida neste negócio... o único problema é a inveja que causa aos outros dealers. Depois de alguns reveses e de muitas cenas absolutamente hilariantes, Paulette (que era uma muito afamada pasteleira) usa os seus talentos na confeção de bolinhos especiais. O resto... bem, o resto só vendo! Recomendo! O filme ideal para combater a neura típica de um domingo à noite.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Sangue Final (Dead Ever After)

Sinopse
"Há segredos na cidade de Bons Temps, segredos que ameaçam aqueles que estão mais próximos de Sookie - e que poderão despedaçar-lhe o coração...
Sookie Stackhouse não pensa duas vezes antes de recusar o pedido da sua antiga colega Arlene quando esta pede que lhe devolva o seu lugar no Merlotte`s. Afinal, Arlene tentou matá-la. O seu relacionamento com Eric Northman, porém, não é tão claro. Juntamente com os seus vampiros, ele mantém a distância... e um silêncio gélido. E, quando Sookie descobre porquê, sente-se devastada. É então que um homicídio chocante abala Bons Temps e Sookie é presa por esse crime.
Mas as provas são débeis e sai sob fiança. Quando começa a investigar o homicídio, descobre que o que passa por verdade em Bons Temps é apenas uma mentira conveniente."

Impressões
E assim chegou ao fim esta saga! O último livro levou tanto tempo a ser editado, que eu já já não me lembrava muito bem da história. Gostei de o ler, mas confesso que esta "onda vampiresca" passou e, por isso, já não fiquei tão entusiasmada. Quando alinhei todos os   livrinhos para a foto, lembrei-me que descobri esta autora há uns quatro anos atrás e que, nessa altura, devorava estes books. Mesmo assim, foi divertido reencontrar estas personagens e os seus problemas. O final acho que não surpreende ninguém.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

A menina na Falésia (The Girl On The Cliff)

Sinopse
 "Grania Ryan tem em Nova Iorque a vida com que sempre sonhou. Tudo é perfeito até ao dia em que o seu desejo mais íntimo é brutalmente estilhaçado. Arrasada, Grania decide voltar à Irlanda e aos braços da sua adorada família. E é aqui, à beira de uma falésia, que conhece Aurora Lisle, a menina que vai mudar profundamente a sua vida. A ligação entre ambas é imediata e profunda. Pouco a pouco, Grania descobre que as histórias das suas duas famílias estão estranha e intrinsecamente ligadas...
De um agridoce romance na Londres do tempo da grande guerra a uma relação tempestuosa na Nova Iorque contemporânea; da devoção a uma criança terna e carente a memórias esquecidas de um irmão perdido, o passado e o presente das famílias Ryan e Lisle estão unidos há um século. Cem longos anos de equívocos e segredos, paixões e ódios... Apenas a intuição e a coragem de Aurora poderão quebrar o feitiço e vencer as barreiras que o passado ergueu."

Impressões
Já tinha "deitado o olho" a este livro há algum tempo, mas só depois de ter lido "Uma espia no meu passado" desta mesma autora, é que me decidi a comprá-lo. Como sempre, o que mais me entusiasmou foi a narração dos acontecimentos do passado e não a vida da suposta protagonista (será?), Grania Ryan ( várias vezes tive  vontade de lhe gritar para desligar o "complicómetro").  Também achei que autora exagerou na dose de drama (não era preciso ... afinal não é uma telenovela mexicana dos anos oitenta). 
Por outro lado, fiquei encantada com a Aurora e a sua filosofia de vida. Gostei sobretudo da forma como ela se relaciona com todas as criaturas, fossem elas terrenas ou não. Isso introduziu um toque q.b de magia. Tive pena que tudo tivesse terminado da forma como terminou mas, pensando bem, foi um desfecho poético. 
Gostaria de ler outros livros desta autora, mas não encontrei mais nenhum à venda aqui em Portugal.

sábado, 7 de setembro de 2013

Segredo oculto em águas turvas "Outono"

Sinopse
"Chove torrencialmente sobre Skogså, a relíquia medieval nos arredores de Linköping, e as grandes gotas caem pesadamente sobre o corpo que flutua nas águas do fosso que rodeia o castelo. O advogado Jerry Petersson, o novo e rico proprietário, conhecido pelo seu espírito impulsivo e irascível, nunca mais resolverá novos casos. 
Chamada a investigar o crime, Malin Fors suspeita dos Fågelsjö, uma família aristocrática que, por problemas financeiros, foi forçada a vender a Jerry Petersson a propriedade há séculos na família. Mas seria isso motivo suficiente para um homicídio? Ou será que por detrás dos muitos milhões, das obras de arte valiosas, dos fatos caros, e do sucesso nos negócios, Jerry Petersson não era quem parecia? "

Impressões
O que dizer deste livro? Brutal! Chocante! Já esperava que assim fosse uma vez que os policiais nórdicos que tenho lido são muito crús! Até já me disseram que os outros livros deste autor são bem piores, entenda-se muito mais chocantes. Mas acho que não estava preparada para isto (e ainda tenho um outro ebook dele, correspondente a outra estação do ano, para ler...). Não são os crimes em si que me abalam mas sim a tristeza, a depressão, a decadência em que todas as personagens parecem permanentemente mergulhadas. Eu que até gostava de visitar a Suécia (com esta economia, provavelmente numa outra vida) perdi a vontade de o fazer... é que parece tudo muito miserável, muito cinzento... 
Levei algum tempo a ser "agarrada" pela história e isso também não ajudou. Achei monótona e repetitiva a descrição dos problemas (auto-flagelação?) da inspetora Malin, embora pareça ser ela a mais inteligente, mas não a mais esperta (como uma personagem diz) do seu grupo de inspetores. Ao longo da narrativa, aparecem relatos feitos pelos mortos (aqueles que foram assassinados) o que ajuda a criar um certo clima de mistério. A juntar a isto temos um tempo inclemente, com muita chuva, granizo, frio e poucas horas de luminosidade natural (como é que aquelas pobres almas aguentam? Não admira que depois se ponham a escrever livros destes...)
Agora, tenho que ganhar coragem para ler o próximo!

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

A imaginação hiperativa de Olivia Joules (Olivia Joules and the overactive imagination)

Sinopse
"Olivia é uma jornalista free-lancer que abandonou o verdadeiro nome, Rachel Pixley, no momento em que decidiu "esquecer" o seu passado infeliz - orfã na adolescência; deixada pelo namorado, que afinal era homossexual, no princípio da idade adulta - e assumir-se como uma rapariga desprendida e independente face aos homens. Um dia, Barry (o "patrão" do Sunday Times) - que a critica por ter uma imaginação hiperactiva - envia-a para Miami para cobrir uma reunião social onde se encontram pessoas ligadas ao mundo do cinema. A partir daqui começa a aventura... Entre viagens, jantares, mergulhos em águas onde passeiam terroristas, tubarões e corpos de passageiros despedaçados, Olivia descobre que, afinal, Pierre (um milionário pretensamente francês que tenta seduzi-la) é árabe e está ligado à Al Qaeda. Correndo perigos vários, esta heroína do século XXI consegue escapar ilesa."

Impressões
Lembram-se do "O Diário de Bridget Jones"? Pois bem, este livro, escrito pela mesma autora, segue uma linha humorística similar.  É uma história divertida, capaz de nos deixar bem humorados mesmo num dia cinzento. Talvez as aventuras da nossa heroína sejam um bocado extravagantes (a sério?), mas ela consegue sair-se bem em todas as situações e ainda manter uma aspecto impecável, tal como convém a uma Mata Hari dos tempos modernos. 

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Redes Sociais de.... Livros

Aí há tempos "tropecei" no que pretendem ser Bibliotecas Virtuais interativas, ou seja,  com troca de impressões entre leitores. Até agora descobri duas do Brasil e uma da América:



Denominam-de de Redes Sociais de Livros. E, como tal, o registo  é simples, rápido, à distância de um click, ou seja, através de botão "login usando o Facebook", que pode ser considerado como uma vantagem para uns e como uma desvantagem para outros. A boa noticia é que a partilha automática de resenhas na rede social é opcional.  Agora é explorar ....

Para quando uma Portuguesa??