">

sábado, 31 de agosto de 2013

Quando ler causa sofrimento!

No outro dia, cheguei a casa com os braços e as costas a queixarem-se. E tudo porque não consegui encontrar uma posição confortável para ler na praia. Deitada ou sentada, não consigo apoiar as costas e os braços de forma a não esforçar demasiado os músculos. Nem nas espreguiçadeiras consigo estar bem porque não tenho onde apoiar os bracitos (além do mais, também não é bom para o "migalheiro"). É verdade que já experimentei umas quantas cadeiras de praia, mas sem grande sucesso. No entanto, esta última   (até teve direito a foto) parece ser uma boa "cadeira-de-leitura-na- praia-e-também-no-jardim-ao pé-de-casa". O único problema é o facto de ser mais uma coisa a transportar para a praia...

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Doida por agendas!!!!!!!

Sou totalmente viciada em agendas! Foi esta a conclusão a que cheguei depois de ter descoberto que, só para este ano, tenho quatro agendas! E para quê? Nem eu sei bem. E recuso-me a aceitar as análises que os psicólogos de plantão adoram fazer. Gosto, porque gosto. Ainda não encontrei a agenda perfeita que, na minha opinião, tem que combinar funcionalidade com "lindeza".  No entanto, para bem da arrumação cá em casa e da minha carteira, vou tentar conter-me.
Já tentei usar a agenda do telemóvel mas, não é a mesma coisa...

Psiuu... agora que ninguém está a ouvir, sabem onde é que posso encontrar agendas fofinhas?

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

LIVRE (wild - A Journey from Lost to Found)

Sinopse
" Aos 26 anos, Cheryl Strayed tinha perdido tudo - o casamento, a família, a estabilidade profissional. Sentia-se à deriva no mundo e a sua existência aproximava-se perigosamente do ponto de não-retorno. Sem nada a perder, Cheryl tomou a decisão mais impetuosa da sua vida - embrenhar-se sozinha na natureza selvagem, percorrendo a pé, durante três meses, mil e setecentos quilómetros do Pacific Crest Trail, desde o deserto de Mojave, ao longo da Califórnia e do Oregon, até ao estado de Washington. Sem qualquer experiência neste tipo de aventura, com excesso de bagagem e com umas botas apertadas - é assim que Cheryl empreende esta viagem violentíssima em termos físicos e psicológicos mas profundamente redentora, através da paisagem inóspita do desespero até às paragens mais tranquilas de um renovado sentido do eu."

Impressões
Que loucura esta viagem! Percorrer uma distância tão grande, a pé e sozinha! Ainda por cima, a mochila e as botas escolhidas não foram as mais adequadas. E, só para complicar mais um bocadinho, Cheryl nunca tinha dinheiro suficiente para repor os mantimentos! Fez-me muito mais impressão a descrição do sofrimento físico (presente durante toda a viagem) do que as dúvidas existenciais que a atormentaram quase todo o período da caminhada. Apesar de encontrar muitos caminhantes no PCT, Cheryl preferia caminhar sozinha e, dado os problemas que a conduziram aquele ponto, compreende-se bem porquê. O mais interessante é que a autora é bastante realista em relação à "bagagem" que foi adquirindo durante a viagem.
Fica aqui o filme promocional do livro.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Música no blog!

Não resisti a partilhar este vídeo que me enviaram. Gostei bastante!

Sabor a verão!

Adoro ler durante o dia e, se for ao ar livre, melhor ainda! Como (praticamente) só nas férias tenho essa disponibilidade, aproveito todos os momentos. Tão bom, ler um livro entre banhos de mar e não ter hora para terminar!

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Petiscos que vão bem com livros! (# 2)

Parece delicioso e estava delicioso!
Inicialmente, a minha intenção era pedir apenas uma garrafa de água para ir bebericando enquanto lia (e poder desfrutar da esplanada por uma quantia módica)... mas, ao ver a ementa, não resisti à tentação! E ainda bem, porque soube-me às mil maravilhas e até o resto dia ficou mais docinho!

domingo, 18 de agosto de 2013

Desejos do Coração (Heartwishes)

Sinopse
"Gemma Ranford quer tanto obter o emprego oferecido para catalogar os documentos de uma das famílias mais antigas de Edilean, a família Frazier, que está disposta a lutar por ele. Fascinada por História e desesperada por terminar a sua dissertação, Gemma acredita que aqueles papéis lhe oferecerão novas informações essenciais para imprimirem novo fôlego à sua investigação. O que ela não espera encontrar são as repetidas referências à Pedra dos Desejos do Coração, um talismã mágico que, reza a lenda, concederá desejos a quem detenha o apelido Frazier. Se algo tão poderoso caísse nas mãos erradas, toda a família poderia ficar em perigo - mas, à semelhança da maioria das pessoas, Gemma considera que não passará de um mito. (...)"

Impressões
Tive muita dificuldade em ler este livro. Achei a história muito enfadonha, só mesmo no final é que conseguiu captar o meu interesse. Gostei da sinopse, embora tenha achado pirosa a tal "Pedra dos Desejos do Coração", mas até mesmo esta ideia foi pouco explorada. No início do livro, a Gemma parece ser uma investigadora dedicada e disposta a terminar o seu doutoramento. No entanto, essa paixão não está bem desenvolvida no livro. Pelo contrário, fiquei com a impressão de que estava a ler um daqueles romances "cor-de-rosa" (cada um gosta do que gosta, mas não é mesmo a minha "onda"). Encontrei algumas personagens de um outro livro, mas agora completamente obcecadas por bebés e mais bebés, não conseguindo vislumbrar nelas nada de interessante! Depois de ter lido  "Jardim de Alfazema", fiquei verdadeiramente dececionada com a pobreza desta história.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Irmã (Sister)

Sinopse
"Quando Beatrice recebe um telefonema frenético a meio do almoço de domingo e lhe dizem que a sua irmã mais nova, Tess, desapareceu, apanha o primeiro avião de regresso a Londres. Mas quando conhece as circunstâncias que rodeiam o desaparecimento da irmã, apercebe-se, com surpresa, do pouco que sabe sobre a vida de Tess - e de que não está preparada para a terrível verdade que terá de enfrentar.
A Polícia, o noivo de Beatrice e até a própria mãe aceitam ter perdido Tess, mas Beatrice recusa-se a desistir e embarca numa perigosa viagem para descobrir a verdade, a qualquer custo."

Impressões
Sombrio! Deprimente! Viciante! Não aconselhável a quem esteja a atravessar um período negro. Muito bem escrito! Espetacular! No entanto, trata-se daquele tipo de livros que eu disse que iria evitar durante algum tempo, porque nos induz a uma disposição sombria. A (des)esperança, o muro das burocracias, a incompetência do Sistema (sempre e para sempre, a eterna falta de pessoal que impede que seja dada a devida atenção a cada caso) são retratos fiéis da (nossa) realidade!
A sério, não sei como é que a autora conseguiu escrever este livro e manter a sanidade mental! É verdadeiramente tortuoso!

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Por aqui: no rio!



Num dia de verão, passear de barco é sempre uma boa opção (desde que não sejamos nós a remar, eheh)! E como o sol pode ser inclemente em determinadas horas, vamos lá usar a imaginação, ou melhor ainda, um chapéu-de-sol, para nos protegermos!

sábado, 10 de agosto de 2013

Gritos do Passado (Predikanten): Outra opinião!

Bem sei que já foi publicado um post sobre este livro. Mas, no outro dia, a "Fantasilab" (também colaboradora deste blog), terminou a leitura do mesmo e aceitou o desafio de partilhar a sua opinião (Adoro a bolsinha da foto! Acreditam que é feita com um "individual"?)
Impressões:
A história não desilude, acompanha-se o desenrolar de uma investigação de homicídio, na pacata vila de Fjallbacka, levada a cabo por uma equipa policial habituada  a lidar apenas com bêbados e roubos de bicicleta. Muitas vão ser as dificuldades sentidas em descobrir a verdade, com muitas voltas e reviravoltas, apesar de todos os caminhos acabarem por ir dar sempre  à família Hult, que se encontra envolta numa auréola de fé, crendice, inveja e claro, dinheiro. Tive pena que a personagem da Erica tivesse perdido destaque, passando para um plano secundário, apesar das divertidas cenas com familiares e amigos incómodos, que aparecem em casa sem ser convidados, como se de um hotel se tratasse. Valeu por isso!! Quanto à relação dela com a irmã,  vítima de maus-tratos domésticos, achei um pouco desgastada e parada no tempo. 

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Bibliotecas de verão: Vamos divulgar estes espaços!

Regras para participar:
1) Ser seguidor (a) deste blog;
2) Divulgar o desafio no seu blog ou facebook;
3) Deixar um comentário neste post, com o seu nome e link de  onde fez a divulgação;
4) Enviar a foto de uma "biblioteca de verão" para o email do blog (doidaporlivross@gmail.com).
Atenção: A foto não pode ser retirada da net!!!

O desafio irá decorrer de 10 até 31 de Agosto!
Todas as fotos serão publicadas no blog, com a respetiva identificação.

Como livros (amigos) nunca são demais, será feito o sorteio do livro "O livro dos Perfumes Perdidos" (autora: M. J. Rose)! As participações serão numeradas por ordem de chegada.

Nota: No sorteio só podem participar moradores em Portugal continental ou nas ilhas.

Ficamos a aguardar!!!!!!

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Biblioteca de verão!


De manhãzinha ou no final do dia, esta esplanada da biblioteca está sempre a abarrotar. Aqui há de tudo: jornais, revistas, livros e jogos infantis. Depois de uma bela caminhada pelo parque, nada melhor do que descansar um bocadinho à sombra, enquanto se põe a par das notícias do dia e se troca impressões com os outros "clientes". Bela iniciativa! Boas leituras!

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Filmes/Séries: A Gaiola Dourada


Que filme delicioso! Ri a valer com algumas cenas! O elenco foi muito bem escolhido e a história dá que pensar. Temos os estereótipos habituais: a Maria porteira e o Zé pedreiro, emigrantes portugueses que encontraram em França aquilo que o seu país lhes recusava. Temos também as alusões à gastronomia portuguesa, ao futebol e, claro está, o fado. 
Maria e Zé sempre sonharam regressar à pátria mas, quando finalmente a oportunidade se apresenta, descobrem que do desejo à realização desse mesmo desejo vai uma grande distância.  Nos trinta anos de França, integraram-se (tanto quanto possível) na sua comunidade, sentem-se indispensáveis e estabeleceram fortes laços afetivos com o país e as pessoas. Além disso, os seus filhos são franceses e não querem ir viver em Portugal. No entanto, tudo acabará por se resolver da melhor forma para todos. 
Tenho apenas dois comentários a fazer, que não têm nada a ver com o filme, mas sim com o cinema (?):
1) Meia hora de publicidade antes do filme é testar a paciência do público (ou depois do bilhete comprado já não interessa?);
2) Achei de muito mau gosto a cena de pseudo-comédia  que pretende fazer publicidade ao filme. Os estereótipos estão muito mal conseguidos e, na minha opinião, uma vergonha.

domingo, 4 de agosto de 2013

As atribulações de uma jovem executiva (Trixie Trader)

Sinopse
"Trixie Trader deve este nome, pelo qual se tornou conhecida no mundo da City londrina, aos bons velhos tempos de ascensão fulgurante no mundo dos negócios. Entretanto, o seu "fraco" pelas marcas caras, o champanhe, os almoços prolongados e as noitadas literalmente embriagantes, na companhia cúmplice da sua melhor amiga, Julie, e aquecidas por paixonetas sem consequências, estão a conduzi-la à ruína. Agora, possuidora de uma dívida com tendência a aumentar ao ritmo do buraco de ozono, a sua baixíssima produtividade não passa despercebida aos olhos argutos do gerente do banco onde trabalha. Trixie recebe um ultimato: em apenas seis semanas ela terá de conseguir fazer um negócio realmente chorudo! A alternativa passa pela porta de saída. Trixie sabe que não poderá contar senão consigo própria, além da Julie e do Bloodhound, os únicos amigos de sempre."

Impressões
Ri a valer com este livro! A história não é nada por aí além, mas o dia-a-dia da Trixie, sem dúvida que o é. Não é de admirar que, com o seu estilo de vida, esteja prestes a ser despedida... isso e o seu gosto pelo luxo, acompanhado pela sua insaciável sede de champanhe e outras coisitas que tais, estão a conduzi-la rapidamente a umas férias forçadas. Mas esta rapariga tem uma elevada auto-estima, pelo que não desiste facilmente dos seus objetivos. Gosto do seu sentido de humor politicamente incorreto, embora quase todos os colegas a detestem por causa disso. No entanto, este livro permite-nos vislumbrar o mundo (hipócrita) da City e dos financeiros.

sábado, 3 de agosto de 2013

Fimes/Séries: The Wolverine


 As minhas expetativas em relação a este filme saíram frustradas. A história não tem nem consistência nem coerência. Os diálogos são praticamente inexistentes e feitos de clichés. As cenas arrastam-se durante longos minutos, não (me) cativando. Mesmo as sequências de artes marciais, com toda a sua   dinâmica, tornam-se cansativas por serem repetitivas. No entanto, foi bom rever este ator e o carisma do Wolverine.