">

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Este é meu!

E que fofinho que ele é! Mesmo adequado a uma DoidaPorLivros. Neste momento, tenho um em cada porta (todos diferentes, é claro).

domingo, 26 de janeiro de 2014

Mulherzinhas (Little Women)

Foi um dos meus primeiros livros de gente grande. Tinha uns dez ou onze anos quando mo ofereceram e foi amor à primeira vista. Li e reli aquelas páginas tantas vezes, que o livro está cheio de marcas deste afeto...  a fita-cola que o mantém inteiro é a prova disso. A minha personagem favorita é a Jo. Identifiquei-me de imediato com ela pois, tal como ela, se me querem ver feliz é levarem-me a uma livraria (no caso da Jo, a biblioteca da tia March). Apesar das privações impostas pela guerra civil americana (a ação decorre entre 1861 e 1865), as quatro irmãs March são muito unidas e, cada uma a seu modo, têm os seus próprios sonhos. Inventam jogos e distrações para os seus tempos de lazer. Lembram-se das peças de teatro que encenaram e dos clubes que fundaram? Isto só mostra que a imaginação é uma aliada poderosa, principalmente nos piores momentos. Apesar da família ter perdido toda a sua fortuna, a educação das meninas March não foi, de algum modo, descurada, tendo em conta os padrões da época. A dada altura, sobretudo no inverno, tive inveja da Amy e da Beth por estas estudarem em casa, eheheh. 
Mais tarde, foi publicado o livro "As Mulherzinhas Crescem", dando seguimento à aventura das quatro irmãs. Para dizer a verdade, foi tudo muito previsível. Mas o desfecho que mais me dececionou foi o da Jo. Na minha opinião, ela não deveria ficar "amarrada" a marido e filhos, mas sim ser uma viajante intrépida, uma espécie de repórter de viagens do século dezanove...  Bom, talvez não fosse tão credível para o contexto da época...

A mulher que decidiu passar um ano na cama (The woman who went to bed for a year)

Sinopse
"No dia em que os seus filhos gémeos saem de casa para ingressarem na faculdade, Eva sobe para o seu quarto e, sem tirar a roupa ou os sapatos, deita-se na cama e ali permanece. Durante dezassete anos quis gritar ao mundo que a deixasse em paz, e esta é finalmente a sua oportunidade. (...)"

Impressões
Ora aqui está uma excelente forma de protesto! Mas atenção, só funciona se houver uma data de otários dispostos a servir uma pseudo-mártir. E os otários são a mãe, a sogra, um amigo e até o marido traidor! Eva nem sabe porque é que recolheu à cama, nem sabe se está zangada com o mundo ou consigo mesma, por ter usado uma vida familiar pouco satisfatória, como desculpa para não perseguir os seus sonhos. Enquanto a sua paranóia se agrava, espalham-se rumores de que Eva terá poderes paranormais e, desta forma, está lançada a confusão. Um bando de lunáticos, desejosos de conhecer a "Santa", acampa à sua porta, destruindo a paz que Eva tanto queria alcançar. De início, simpatizei com esta personagem e com a sua tomada de posição, na verdade, uma espécie de vingança contra os seus familiares oportunistas. Mas, pouco a pouco, Eva vai-se tornando tão oportunista e tirana quanto os demais. Digamos que todos os personagens têm aquilo que merecem, até mesmo Poppy, a pequena psicopata, embora não pareça.

Adorei...

... este marcador de livros personalizado! Foi oferta do blog de artesanato http://fantasilab.blogspot.pt/. Obrigada!!!!!!!!!

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Já chegou!

 Viciada em agendas como sou, não descansei enquanto não encontrei a minha agenda para 2014. E, cá está ela:
Fiquei tão contente quando recebi o "papel dos correios" para a ir buscar, que não reparei em mais nada...  descobri no balcão de atendimento e depois de ter estado meia hora na fila, que só o poderia fazer a partir das dez horas do dia seguinte!

(A agenda foi comprada em: http://aiaimatilde.blogspot.pt/)

Petiscos que vão bem com livros! (#3)


Fiz este bolo em 6 minutos (mas deveria ter sido em 7, para ficar melhor). Ficou delicioso! As fotos não lhe fazem a devida justiça e, penso que ficaria muito bem com umas framboesas ou uns mirtilos. De qualquer das formas, combina muito bem com as leituras e com as temperaturas dos últimos dias.

Fica a receita:
2 ovos
1 caneca de açúcar
1 caneca de farinha
1 caneca de óleo
1 caneca de chocolate em pó
1 caneca de leite morno
raspa de um limão
7 a 8 minutos no microondas na potência máxima

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Noite Negra

Sinopse
"Ricardo Magalhães, um jovem minhoto pacato de 18 anos, cumpre um objetivo comum a muitos jovens da sua idade: ingressar no Ensino Superior. Porém, aquela que seria apenas uma nova etapa da sua vida, transforma-se, para ele, na descoberta de um mundo completamente novo e por vezes estranho, que o impele a questionar-se acerca das questões mais fundamentais da vida humana, ao mesmo tempo que o inspira a lidar com o processo de construção da identidade, descoberta do amor e usufruto da liberdade. (...)"

Impressões
Depois de imenso tempo à espera, lá recebi este livro. Estava esgotado no editor, o que são boas notícias, suponho eu. Não tendo estudado em Coimbra, mas sim em Lisboa, e não sendo dada a estas coisas das tradições académicas, fiquei bastante curiosa acerca das origens destas mesmas tradições (fui espicaçada pela leitura). Durante o livro somos guiados pelas ruas, monumentos e história da linda cidade de Coimbra. E somos também guiados pelo estilo de vida (destruidor de fígados, eheheh) dos estudantes. Com tantas festas e álcool, até me admira que alguém consiga terminar o curso (no livro aparecem referências a alguns estudantes trintões... aliás, também havia muitos destes pela minha Faculdade). Achei bastante interessante a abordagem ao assunto da tão polémica "praxe". É uma pena que a maioria daqueles que fazem a "praxe" não entendam o objetivo da mesma e pretendam apenas humilhar os caloiros... às vezes, as coisas correm mesmo muito mal, como toda a gente sabe. Neste livro, há também lugar para o mistério ao estilo dos melhores policiais (tenho pena que este aspeto não tenha sido mais explorado já que o ambiente era mesmo propício a isso). Adorei o epílogo mas acho que não entendi muito bem o que aconteceu. À conta disto, já reli algumas partes do livro e já formulei várias hipóteses. Que maldade para o leitor (é destes finais que gosto... mas só nos livros)!

domingo, 12 de janeiro de 2014

Mudar de vida...

... é preciso! Mesmo que as mudanças sejam tão subtis que só nós as consigamos percecionar, o que importa? Desde que essas pequenas vitórias nos impulsionem numa direção que nos faça sentir bem. Às vezes, levamos uns abanões e, colocados entre a "espada e a parede", somos obrigados a mudar de vida... Às vezes, estes abanões eram mesmo o que de melhor nos poderia acontecer. Outras vezes, começamos a sentir crescer dentro de nós um desassossego, uma certa insatisfação que nos indica que está na hora de mudar alguma coisa. Por isso, achei bastante interessante um artigo que me enviaram hoje. Fica o link: http://www.fmgomes.com/trabalhar-pela-internet-mudar-de-vida/


Uma Canção de Embalar (Daddy`s Gone a Hunting)

Sinopse
"(...) Terá a explosão sido intencional? O que estava Kate (...) a fazer no museu quando aquele foi consumido pelas chamas? Por que razão estava com ela, àquela hora da noite, Gus, um artesão reformado e insatisfeito? E se alguém não for quem diz ser?"

Impressões
Não encontrei qualquer ligação entre a capa e o conteúdo do livro. Aliás, olhando para a capa até pensei que a ação decorresse noutro sítio qualquer e não numa cidade como Nova Iorque. Gostei do facto de uma das personagens vitais para o deslindar do mistério quase ser eliminada logo no primeiro capítulo. É através dos sonhos e dos delírios da Kate que nos vamos aproximando da verdade. Tive pena de não ver mais desenvolvida a história das irmãs Kate e Hannah e a sua relação com o assassino, bem como a relação do assassino com as suas vítimas. Mais ou menos a meio do livro já tinha descoberto a identidade do vilão, eheheh....

Filmes/Séries: Os Seguidores (The Following)

Ando sempre à procura de uma boa série para seguir, de preferência policial. Assim, depois de ter visto a apresentação desta série, resolvi ver alguns episódios para ver como é que era. A ideia original é boa (na minha opinião) mas depois, na tentativa de fazer "render o peixe", foi deturpada. Algumas das situações criadas são caricatas e muito mal concebidas. Além disso, as forças policiais são apresentadas como um bando de gente com falta de inteligência e discernimento, exceto, claro, o consultor do FBI, interpretado pelo ator Kevin Bacon. No entanto, é abordado um assunto bastante preocupante: as seitas criminosas! Na série, vemos como foi fácil para o criminoso Joe Carroll recrutar seguidores nos diferentes extratos sociais e com graus académicos bem distintos. E isto tudo a partir de uma cela! Vemos como usa o seu carisma para lidar com as inseguranças e psicoses daquelas pessoas e levá-las a cometer verdadeiras atrocidades. E mais, consegue conquistar essas pessoas a tal ponto, que elas não se importam mesmo nada de morrer pela "causa". E, se analisarmos o seu método de recrutamento, verificamos que ele limita-se a prestar-lhes atenção e a valorizá-las. Dá que pensar, não dá?

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Séries/Filmes: Segurança Nacional (Homeland)

Comecei a ver esta série em Dezembro. Vi a primeira temporada de empreitada (graças à tecnologia moderna e ao facto de estar um tempo propício a isso). Vi os episódios enquanto devorava as delícias da época natalícia (por falar nisso, missão cumprida) e adorei essa combinação. Comecei a ver a segunda temporada e parece-me que é um pouco "mais do mesmo" (será pela carência de açúcar? Estarei com o síndrome de abstinência?)... uma breve pesquisa na internet revelou-me que esta série tem, pelo menos, onze temporadas! E, ao que parece (será que entendi mal?) gira tudo em torno da agente Carrie (esta atriz faz um papelão!) e do (pseudo)terrorista Brody! Não será a teoria da conspiração levada ao extremo?

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Cirque du Soleil Dralion

Que espetáculo! Lindo! Grandioso! Mágico! Há tantos anos que eu ouvia falar do Cirque du Soleil, mas nunca tive oportunidade de assistir a uma apresentação. Neste sábado, finalmente, lá fui (bilhetes comprados em Agosto!) e adorei! O palco estava muito bem concebido. Os artistas surgiam do ar (só os via subir e descer de um espaço que parecia muito exíguo), do chão (de alçapões), trepavam paredes, faziam mil e uma acrobacias que pareciam tão fáceis (piadinha, eheheh) e tudo isto sempre com um big smile! O guarda-roupa também era fantástico! Muita cor, luz e alegria. Gostei bastante! Contudo, tenho que dizer que, para o preço do bilhete, merecíamos, pelo menos, cadeiras mais confortáveis no MEO Arena. E, já agora, também não percebo que mania é essa de não haver lugares marcados para certos espetáculos (atenção, que não estou a falar da zona em pé). Então uma pessoa paga um balúrdio por um bilhete e depois tem que ir acampar para a porta do recinto?! Só podem estar a gozar!!!!!!!

domingo, 5 de janeiro de 2014

Séries/Filmes: Titanic

Acabei mesmo agora de ver o último episódio, de uma série de quatro, sobre o naufrágio do Titanic! Foi há cem anos que este colosso afundou. Achei interessante terem abordado a situação de diferentes pontos de vista, consoante a posição das pessoas na "cadeia alimentar". No entanto, tornou-se muito cansativo estar sempre a ver as mesmas cenas (quatro vezes!) de cada vez que era explorado um novo ângulo. Infelizmente, a história relata situações que nada têm de novo, mas que continuam a ser chocantes. Como, por exemplo, a cena em que os empregados italianos são trancados numa cabina, enquanto todos os outros tentam salvar-se ou então, quando os passageiros do porão são impedidos de aceder aos botes salva-vidas. No final, muitos salvaram-se devido a um lampejo de consciência dos privilegiados (os primeiros botes a sair levavam apenas passageiros da primeira classe e não tinham a lotação completa). Vale a pena ver, nem tanto pelo guarda-roupa e adereços, mas pelos hábitos da época e, sobretudo, pela tomada de consciência de que todos têm direito a uma vida melhor.

Para que conste...

... não quero ser mártir! Nem ter ar de mártir! Nem atafulhar-me em antidepressivos e continuar a fazer de mártir! Nem azedar a vida de toda a gente! Nem ter como único prazer azedar a vida de toda a gente! Pronto! Já tenho o lembrete! Assim, quando sentir que me estou a aproximar deste modelo de pessoa, o melhor será fazer um transplante de alma, uma cura reconetiva ou 
ler um bom livro! 

Crime de Luxo (Death in a white tie)

Sinopse
"As jovens debutantes suspiram, ansiosas. As mães casamenteiras planeiam minuciosamente cada lanche, baile e jantar. Em Londres, uma nova temporada está prestes a começar. Mas por detrás de tão enérgica atividade, a alta sociedade está a ser vítima de um crime tão abjeto quanto silencioso. Alguém está a chantagear as mais notáveis famílias da cidade ... e essa pessoa também planeia cuidadosamente todos os seus passos. O inspetor-chefe Roderick Alleyn, ele próprio um aristocrata, move-se suficientemente bem naquele meio para perceber que algo estranho se passa. Encontrou, até, o aliado perfeito. O seu amigo Lorde Robert Gospell aceitou misturar prazer e dever num dos bailes mais aguardados do ano. E para mal dos seus pecados, o bom lorde descobriu o culpado..."

Impressões
"Crime à hora do chá" é um conceito excelente para estes dias de inverno tão cinzentos. Embora tenha gostado do livro, não fiquei cativada por este género... para mim,  dentro deste estilo de policial, Agatha Christie forever!