segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Há tanto tempo ...

... que não ia a Sintra! E como gosto de passear! Assim, quando me convidaram, nem hesitei. O dia estava chuvoso, mas passeio é passeio. Em Sintra, a neblina conferiu aquele ar misterioso à paisagem. Lindo! Ficam aqui algumas fotos.









É claro que tive que degustar os famosos "travesseiros", bem como as queijadinhas, tudo acompanhado de um capuccino bem quentinho.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

A Amiga Genial (L`amica geniale)

Finalmente, li o livro de que (quase) todos falaram durante o ano passado. Embora tenha achado a estória interessante, também a achei cansativa e não fiquei com vontade de ler os restantes livros da coleção (ainda bem que só comprei este). A vida no bairro de Elena é exatamente como a imaginava em Nápoles, em meados do século XX. Mas também poderia ser num bairro português, no início do século XXI. Na verdade, pouca coisa mudou na sua verdadeira essência. A violência, sempre tão presente nas descrições feitas por Elena, continua presente no nosso dia-a-dia, em determinadas zonas das cidades. Há muitas pessoas que, como ouvi alguém dizer e sem querer ofender nenhuma criatura, parece que desceram agora das árvores ou saíram das cavernas.
Mas falemos de Nápoles. Visitei esta cidade há mais de vinte anos e, na altura, fiquei impressionada com o caos reinante. As pessoas comunicavam aos berros (pareciam zangadas mas não estavam, era mesmo assim). Atravessar a estrada era uma aventura pois os condutores não respeitavam os sinais de trânsito, incluindo os semáforos e até circulavam por cima dos passeios (as lambretas ou vespas, que eram em grande número). Gostei muito das cores da cidade (cá está, para o turista tudo é pitoresco, ahahah), mas é daqueles locais a que não pretendo voltar. 


domingo, 3 de dezembro de 2017

Sem comentários ...



quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A livraria (The bookshop)

Aqui está um livro que me encantou, sobretudo pela sua simplicidade. Já faz parte das minhas "leituras de conforto". Numa pequena vila, no fim da década de cinquenta, a abertura de uma livraria é motivo de desavenças entre os habitantes, mostrando o melhor e o pior de cada um. A própria casa onde a livraria é instalada, parece conspirar contra esta iniciativa... consta que é assombrada e o fantasma residente parece não gostar muito de companhia. Cada personagem tem as suas próprias excentricidades, o que proporciona momentos cómicos. O final foi inesperado e muito injusto, mas realista, o que só valoriza a estória. Fiquei com vontade de ler outros livros desta autora. 
Num mundo em que não tivesse que me preocupar com contas para pagar, também eu gostaria muito de ter uma livraria, pequena mas mimosa, onde pudesse organizar tertúlias sobre vários assuntos e até workshops. Um sítio onde apetecesse estar, feito à medida dos meus sonhos. Enquanto isso ...

sábado, 18 de novembro de 2017

Reaproveitar/Transformar

Era uma vez um típico móvel de sala. Composto por vários módulos, todos aparafusados uns aos outros, o seu peso e estrutura dificultavam muito as limpezas. Assim, um belo dia (uns 15 anos depois), desmantelei-o e transformei-o. Uma das tábuas, de suporte vertical, foi usada para fazer a prateleira que se vê na foto. 
Está colocada por cima do sofá e quase junto ao teto, para ninguém bater com a cabeça, ahahahah.
Para dar cor e alegria, pedi à minha irmã que decorasse a parte visível da prateleira. De qualquer ponto da sala, vemos muito bem o resultado do seu trabalho.
Dá outra vida a esta parede. Ainda faltam alguns retoques na decoração, mas gosto do que vejo. A cor não é bem esta que aparece na foto, mas dá para terem uma ideia e quiçá até dar ideias a outras pessoas.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

À mesa com o assassino (Satelittmennneskene)

Este policial nórdico é diferente dos que conheço. Faz lembrar um pouco os policiais da Agatha Christie. Escolhi-o pela capa (eu sei, eu sei) e também pelas críticas que li noutros blogs (of course). 
Gosto quando a ficção se entrelaça com acontecimentos reais, principalmente aqueles que desconheço. Estas oportunidades de aprendizagem são inestimáveis. Adoro!