sábado, 10 de setembro de 2016

Não digas nada (The good girl)

Mais um thriller psicológico. Mais uma vez, a estória não tem nada de novo e até é previsível, mas está muito bem contada. Prende desde o início, não nos deixando ficar indiferentes. Curiosamente, a minha personagem "ódio-de-estimação" foi precisamente a Mia. Embirrei com ela desde o início. Achei-a muito sonsa e à mãe dela também. 

sábado, 3 de setembro de 2016

Teia de mentiras (Missing Pieces)

Uma teia de mentiras lança o caos numa pequena cidade rural. O problema das mentiras é que, como diz o provérbio, "têm perna curta". Mesmo assim, esta bem urdida teia ainda consegue fazer muitos estragos numa família. A dada altura descobri quem foi (aposto sempre no elemento menos provável, eheheh), mas não conto...

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Irmãs (The sisters)

Mais um de leitura compulsiva. Cumpre na perfeição a sua função como thriller psicológico. Apesar da estória em si não constituir nenhuma novidade, está muito bem contada. Depois de ter lido o livro, o título adquiriu um significado diferente daquele que eu lhe tinha atribuído inicialmente. Ai que vontade de falar mesmo do livro. Acho que vou começar a colocar um alerta, para quem ainda não leu os livros.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Vidas roubadas (Pretty baby)

Lido em menos de dois dias. Cativou-me desde o início. É de leitura compulsiva. O título em português foi muito bem escolhido (geralmente, isso não acontece) e, depois de ter lido o livro, percebi muito bem porquê. É uma estória chocante embora as situações relatadas aconteçam mesmo. Existem monstros, isso é um facto. É pena não haver caçadores de monstros. Deixa-nos a pensar como é que um conjunto de pessoas, com tão boas intenções, conseguiram fazer tanto mal.
O final é o possível para este tipo de estória. Leiam!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ondas de calor (Heat wave)

Nem sei o que me deu para comprar este livro. Acompanhei a série televisiva desde o início e, sem exagero, adorei cada minuto. Ver esta série, acompanhada de uma guloseima, foi um ritual que segui durante muito tempo e, agora que acabou, sinto a falta desses momentos. O que me cativou não foram propriamente os enredos policiais, mas sim o sentido de humor e o carisma do ator que fez de Castle. Além disso, aquele grupo (detetives e família do Castle) via-se sempre metido em situações mirabolantes e hilariantes. Por isso, o livro foi uma grande deceção. Tudo na estória parece demasiado forçado e básico, até as tiradas humorísticas. Não me cativou nem um pouco.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Verdade escondida (Don`t you cry)

Uma pessoa má desde a nascença, com uma maldade que prejudicava tudo e todos em seu redor, conduz a uma decisão drástica. Anos mais tarde, esta sombra retorna, agora com a manha e a dissimulação adquiridas ao longo dos anos. E, mais uma vez eu pergunto, o que é que fazemos com esta gente? Não acredito em reinserção ou reabilitação para estes casos (como tantos outros). As vidas deles não são mais importantes do que as das suas vítimas.

domingo, 21 de agosto de 2016

Numa floresta muito escura (In a dark, dark wood)

Numa floresta muito escura, alguém com uma mente ainda mais escura, encena um sinistro reencontro de "amigos". Claro que tudo vai acabar da pior maneira possível para a pessoa mais ingénua (?) do grupo. Manipulações maquiavélicas e amizades tóxicas só poderiam ter este final. Na verdade, esperava mais deste título, muito mais.