sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Noite de Reis (Twelve Days of Christmas)

Sinopse
"O natal sempre foi uma época triste para a jovem viúva Holly Brown, por isso, quando lhe pedem para cuidar de uma casa remota nas charnecas do Lancashire, a oportunidade de se esconder é irresistível - a desculpa perfeita para esquecer as festividades. Escultor, Jude Martland decidiu que este ano não haverá Natal depois de o irmão ter fugido com a sua noiva, e faz questão de evitar a casa da família. No entanto, terá de voltar na Noite de Reis, quando a aldeia de Little Mumming celebra as suas festividades e toda a família é obrigada a comparecer. Enquanto isso, Holly começa a descobrir que, se quer evitar o Natal, veio para o local errado. Quando Jude regressa inesperadamente na véspera de Natal não fica nada contente ao constatar que Holly parece estar a organizar a festa de família que ele esperava evitar.
De repente, uma tempestade de neve surge do nada e toda a aldeia fica isolada. Sem fuga possível, Holly e Jude encontram muito mais do que esperavam - parece que a quadra natalícia vai ser bastante interessante!"

Impressões
Diverti-me bastante a ler este livro. Acho que se enquadra perfeitamente nesta quadra natalícia. É claro que é tudo muito previsível... depois do primeiro capítulo, percebi logo como é que seria o final. Mas, na minha opinião, o encanto do livro reside na descrição das bonitas paisagens de uma qualquer remota aldeia inglesa, nas ementas usadas no Natal (e até na descrição da confeção dos pratos... fiquei com vontade de fazer o tal bolo de Natal) e no folclore da região. Além disso, gosto da forma como os capítulos estão organizados, penso que enriquece a história. Recomendo que a leitura deste romance seja acompanhada por algumas delícias do Natal ("sonhos" de abóbora,  rabanadas, aletria, etc)...depois não digam que eu não avisei!

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

A Última Duquesa (My Last Duchess)


Sinopse
"Bonita, com um guarda-roupa invejável vindo diretamente das melhores casas de Paris, vive no meio do luxo de uma enorme e confortável mansão em Newport. Mas a sua autoritária mãe deseja vê-la casada com um nobre inglês. Pouco interessada nos sentimentos da sua filha, envia-a para Inglaterra para garantir o tão ambicionado casamento aristocrático. Na época era comum juntar o dinheiro americano ao desejado título nobiliárquico inglês. Uma pura combinação de interesses, onde o coração ficava de fora.
Cora fica consternada com a receção e o mundo que encontra neste novo país. O choque de culturas é imediato. As grandes casas senhoriais que frequenta são lindas, mas geladas e muito desconfortáveis. Sem casa de banho e aquecimento central. Os corredores enchem-se de intrigas, e nas caves, na ala dos criados, reina a coscuvilhice.
Só quando perde o seu coração para o duque de Warehamm, um misterioso homem que quase não conhece é que Cora percebe que está a jogar um jogo para o qual não está devidamente preparada, que não entende, mas onde a sua felicidade futura pode ser o preço."

Impressões
Pela leitura da sinopse poderemos ser induzidos a pensar que se trata da habitual história da plebeia que se apaixona pelo aristocrata. Mas não é nada disso. Trata-se de um retrato da sociedade de finais do século dezanove, tanto a americana como a inglesa. Está cheio de referências aos costumes da época, tanto no vestuário, como até na alimentação e entretenimento. Diverti-me bastante com as descrições das indumentárias das senhoras para as diferentes ocasiões e, compreendi perfeitamente a necessidade de terem uma criada pessoal. Quer dizer, terem que mudar de roupa umas três vezes por dia (até havia uma roupa apropriada para ficar em casa a escrever cartas!), tendo em conta os inúmeros botões e laços que era necessário apertar e desapertar, até fico admirada por  uma só criada "dar conta do recado".  A par da vida de Cora acompanhamos também a vida de Bertha, a sua criada pessoal. Sendo uma mulher negra, no final do século dezanove, Bertha depara-se com inúmeros obstáculos para poder ter a vida que ambiciona. Muito interessante! Não gosto de sequelas, mas quase senti pena quando li a última página...

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

As novas meninas dos chocolates ( The Bells Of Bournville Green)


Sinopse
"Na sua juventude, Edie, Ruby e Janet partilhavam sonhos enquanto se dedicavam à deliciosa tarefa de fazer chocolates na famosa fábrica Cadbury, em Inglaterra. Duas décadas depois, o mundo está radicalmente diferente e as vidas das amigas também. Agora, a geração seguinte está a crescer e a enfrentar os seus próprios desafios. Greta, a filha da temperamental Ruby, é tão bela quanto infeliz. A sua vida familiar foi sempre instável, o que a levou a procurar refúgio junto das suas amigas, na fábrica de chocolates Cadbury, onde também trabalha. Mas tudo vai piorar com o regresso da sua detestável irmã, Maureen. E assim, enquanto Inglaterra vive a euforia da louca década de 1960, Greta precipita-se para um casamento que rapidamente destruirá os seus sonhos românticos. Grávida e sem-abrigo, é acolhida pela maternal Edie e pelo marido, Anatoli. Mas o amor e segurança deste refúgio em breve serão despedaçados por uma tragédia que mudará as suas vidas para sempre..."

Impressões
Hesitei bastante antes de comprar este livro, já que gostei do primeiro e, não sabia sequer que havia um segundo livro. Receei que esta "continuação" não mantivesse a mesma qualidade, mas, ao que parece, estava enganada. 
A ação decorre em Inglaterra e também em Israel (lembram-se do filho adotivo da Edie?), o que torna tudo muito interessante porque   "apanhamos" dois períodos muito ricos: a "construção" do estado de Israel e os movimentos políticos que começaram a ganhar expressão na década de sessenta, em Inglaterra.
Neste livro,  a nova "menina dos chocolates" é a Greta, filha da Ruby. Muito diferente da mãe e da irmã, é Greta quem irá ser o elo de (re)ligação entre as três amigas. A história está muito bem contada e, tal como no primeiro livro, é muito rica em descrições, transportando-nos, sem qualquer esforço, de uma confortável sala de estar inglesa para os rigores de um kibutz israelita. 

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

5000 visitas

Passámos as 5000 visitas!!!!! Obrigado a todos os leitores, seguidores, visitantes e curiosos.

É motivo para celebrar...com um bom livro :)

Não se esqueçam, ofereçam um livro neste Natal :)

Incentivem a leitura em miúdos e graúdos.
 

domingo, 16 de dezembro de 2012

As Histórias de Terror do Navio Negro (Tales of Terror from the Black Ship)

Sinopse
"Na Velha Estalagem, sobre um mar tempestuoso, Ethan e Cathy esperam a chegada do pai. Entretanto, um marinheiro aparece em busca de abrigo, e assim começa uma longa noite de histórias aterradoras ... Há algo neste homem que inquieta Ethan, mas ele não sabe o quê.
É então que o amanhecer abre os olhos das crianças para uma realidade ainda mais chocante, mais angustiante do que as histórias que ouviram na noite anterior."

Impressões
Adorei! Por mais livros que leia, não duvido, nem por um segundo, de que as histórias de suspense, mistério (incluindo os policiais) com uma pitada de terror, estão no topo das minhas preferências. Enredos bem urdidos, sem recorrerem a subterfúgios absolutamente desnecessários e que nos mantêm cativos até à última página. Além disso, adorei a capa. Parece que, de cada vez que a observo, descubro novas coisas uuuuuuuuuu...

"Curtas e emocionantes histórias tingidas de terror, acompanhadas de magníficos desenhos. Excelente."
                                              School Librarian

"Chris Priestley demonstra mais uma vez que é mestre. Estes horripilantes contos góticos merecem ser lidos em voz alta".
                                                  The Scotsman

domingo, 9 de dezembro de 2012

As meninas dos chocolates (Chocolate girls)


Sinopse
"Edie, Ruby e Janet são amigas e dedicam-se a fazer chocolates na famosa fábrica Cadbury, em Inglaterra. As suas vidas poderiam ser de sonho, não fossem as atribulações familiares e a eclosão da Segunda Guerra Mundial. Edie casa muito jovem. A sua fé no futuro é ilimitada mas o destino tem outros planos para ela. Com apenas dezanove anos, Edie enfrenta a guerra sozinha e tomada pela dor após a perda do marido e do filho. Até que uma noite, durante um bombardeamento, uma criança abandonada é deixada ao seu cuidado...
Entretanto, a sua jovial amiga Ruby, apesar do medo de ficar solteirona, acaba por se casar com Frank, desconhecendo o seu carácter temperamental.
E há também Janet - inteligente, bondosa e atraída pelos homens errados. Profundamente magoada pela sua última relação amorosa, Janet está convencida de que nunca mais se apaixonará.
Mas David, a criança que Edie acolhe, conquista o coração de todos. E quando tem idade suficiente para questionar a sua verdadeira identidade, David vai novamente transformar as suas vidas e proporcionar-lhes algo com que nunca sonharam..."

Impressões
Ofereceram-me este livro no Natal do ano passado, acompanhado por uma caixa de chocolates. O próprio livro vinha embalado dentro de uma caixa, o que é uma ótima ideia, já que o protege do pó. Adorei esta história, principalmente a descrição do cenário de guerra e o impacto que teve na vida das pessoas (ajuda a compreender muitas coisas e, sobretudo, alerta para o que pode acontecer quando nos damos ao luxo de não pensar...). Fala também do pós-guerra e da dificuldade em reaprender a viver com quase nada, a não ser o trauma e a dor provocados pela perda dos entes queridos. Mas também fala de amizade e de solidariedade, personificadas pelas três amigas e por outras personagens que enriquecem a história. Vale a pena!!!!!!!