sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Pessoas como nós (Everybody rise)

Acabou por ser uma leitura interessante. No início, pensei que fosse mais uma daquelas estórias "água com açúcar", sobre o mundo cintilante de uma dada elite em Nova Iorque, mas acabou por ser muito mais. O desejo de pertença a um grupo fechado e muito elitista, leva a protagonista da estória a mentir, a roubar, a bajular, a   renegar a verdadeira amizade e, por fim, a perder por completo a sua dignidade e a afundar-se em dívidas. É que manter este tipo de vida, tão fácil para quem nasceu no meio e não precisa de contar cêntimos, é muito complicado e dispendioso. E é durante a queda, digamos assim, que Evie (a protagonista) descobre que, afinal, é perfeitamente descartável e que nunca fez realmente parte do grupo e que nunca teria qualquer hipótese de fazer. Comecei por antipatizar com a Evie, por causa das suas ações para agradar a quem não merecia, e depois acabei por admirar a forma como se reergueu e enfrentou os problemas. 
Boas leituras!

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Uma questão de classe (Different Class)

Gostei bastante! Mesmo depois de tantos livros que já li desta autora, continuo a surpreender-me com a sua versatilidade, com a sua capacidade de agarrar num acontecimento banal ou horrível e   transformá-lo numa estória que vale a pena ser lida. Neste caso, a estória é contada a duas vozes, o que nos permite ter perspetivas diferentes dos mesmos acontecimentos. Uma das vozes pertence a um velho professor de uma escola de elite e a outra a um dos alunos. Logo após as primeiras páginas, fiquei cativada pela narrativa do professor. É tão atual, talvez porque os problemas das pessoas acabam por ser sempre os mesmos, embora com roupagens diferentes, e identifico-me tanto com o seu discurso que é quase como se ele tivesse entrado na minha cabeça. Ao mesmo tempo, é comovente assistir a uma espécie de luta entre o bem e o mal (sempre presente nos livros da Joanne Harris), embora a fronteira entre estes dois opostos esteja um pouco esbatida. Gostei tanto de alguns trechos que, se este fosse um book e não um ebook e, apesar de não ser um hábito meu, teria sublinhado algumas frases com um marcador daqueles bem "espampanantes" (rosa choque eheheh).
Boas leituras!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Fim de ano

Neste ano que termina, não tenho palavras sábias para servirem de inspiração a outros e nem resoluções fantásticas para 2017. Chega de impor metas, tantas vezes absurdas e, por isso, tão frustrantes. A vida acontece, bem ou mal, independentemente das nossas vontades. Tenhamos a sabedoria para viver cada momento.
Boas leituras!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Bonito!


Apesar de não entrar em euforias nesta época, gosto muito de ver as decorações e assistir aos desfiles, cantorias e outros eventos natalícios. No último fim-de-semana fui até Braga e pude matar saudades de uma das minhas livrarias favoritas ("A centésima página"), assistir a uma parada de Natal, ver um bolo-rei gigante, ouvir vários coros e visitar mercados de rua. Nestas voltas e em apenas dois dias, perdi duas luvas da mão direita... ainda bem que não fiquei lá mais tempo, eheheh.

domingo, 11 de dezembro de 2016

A livraria dos finais felizes (Lasarna i Broken Wheel rekommenderar)

Não me cativou logo de início, mas depois acabou por captar a minha atenção. Uma estranha, numa cidade ainda mais estranha de acordo com os padrões tradicionais, consegue (re)animar uma pequena cidade. Foi muito gira a ideia da Sara (a tal estranha) de abrir uma livraria como forma de retribuir a gentileza das pessoas da cidade e mais gira ainda, a ideia de arranjar um livro adequado a cada pessoa, mesmo para aquelas que diziam que não gostavam de ler. E, mesmo no fim, quando tudo parece estar perdido, eis que temos um final feliz! E é mesmo disso que às vezes precisamos, de um final feliz!

sábado, 26 de novembro de 2016

Decorações de Natal (parte 4)

Enfeites em cortiça, dois deles feitos pela minha irmã ( a árvore de Natal e o segundo presépio). A reutilização foi a palavra de ordem. Rolhas e bolotas ganharam uma nova vida. Após a época natalícia, a própria árvore de Natal pode ser convertida em base para panelas quentes... mas isso não vai acontecer, não.


sábado, 19 de novembro de 2016

Decorações de Natal (parte 3)

Não sou dada a grandes euforias nesta quadra, mas confesso que gosto de enfeitar a casa com os presépios, árvores de natal e outros pequenos apontamentos. Gosto sobretudo de (re)utilizar materiais e  de, com um pouco de tinta e cola, mas com muita imaginação e paciência, dar-lhes uma nova vida... bem, eu só aprecio o resultado final, a minha irmã é que é a artesã (não de profissão mas de coração, como se costuma dizer). Para não variar, aqui está uma árvore de Natal, cheia de personalidade, feita com tronquinhos apanhados aqui e acolá ... adorei!
Mais um presépio, bem giro por sinal!

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Decorações de Natal (parte 2)

Este presépio é novo por aqui. Pendurado na árvore de Natal também fica giro, embora passe um pouco despercebido. A pinha e o vaso foram decorados pela irmã artesã. Gostei do resultado.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Feira do livro

Soube hoje (obrigada mana) e amanhã, quando sair do trabalho, penso "perder-me" por lá.

Decorações de Natal (parte 1)

Apesar de ainda poder ser cedo, estava mesmo a apetecer-me abrir a época natalícia. É que eu gosto muito dos meus presépios, todos eles de proveniências diferentes e com um significado especial para mim. E pronto, deu no que deu eheheh. Este, por exemplo, é uma miscelânea de peças: umas já têm quase cinquenta anos e eram da minha mãe (os patinhos, a ponte, o "lago" e duas ovelhas... tinha muitos mais, mas foram-se partido ao longo dos anos) e outras são muito mais recentes e foram-me oferecidas.  





domingo, 13 de novembro de 2016

A vida dos outros (The other half lives)

É uma estória arrepiante, a fazer lembrar (que saudades) os policiais de Agatha Christie. Percebe-se porque é que Sophie Hannah foi a escolhida para escrever as novas aventuras do Hércule Poirot. Fiquei cativa desta estória desde  o início porque também fiquei confusa desde o início... é verdade, uma confusão muito boa que me despertou a vontade de continuar a ler para descobrir o que ia acontecer a seguir e, o que aconteceu foi que... fiquei ainda mais confusa eheheheh. Todas as minhas teorias foram sendo destruídas à medida que o enredo me enredava, o que só atiçava mais a minha curiosidade. Desta vez, o mal não triunfou embora tenha feito os seus estragos. Quanto a mim, o título em inglês está mais de acordo com o enredo do que o título em português e tem também uma carga mais dramática. Gostei!

domingo, 6 de novembro de 2016

E se, de repente, ...

... o ereader se avariar, o que é que acontece aos ebooks? Fico sem eles? Apesar de ter um ereader há algum tempo, ainda tenho muitas dúvidas no que concerne à sua utilização. A mais premente é mesmo essa: o aparelhómetro avariar e eu ficar sem os ebooks ... pior, ficar sem aqueles que ainda não li. Já vos aconteceu? Como é que resolveram?


sábado, 5 de novembro de 2016

A lista

Tenho cerca de trinta livros em fila de espera, praticamente não tenho tempo de qualidade para as minhas leituras e quase não tenho espaço para mais livros em casa MAS.... continuo a colecionar desejos e assim, de desejo em desejo, já tenho uma lista:

"300 dias de sol" (Deborah Lawreson)
"Cartas por um sonho" (Ângela Donâte)
"Um estranho no meu jardim" (Sara Alexi)
"Albert regressa a casa" (Homer Hickam)
"Toda a luz que não podemos ver" (Anthony Doerr)
"As pessoas felizes leem e bebem café" (Agnés Martin-Lugard)
"A praia das pétalas de rosa" (Dorothy Koomryn)
"Flores cortadas" Karin Slaughter
"A Gorda" (Isabel Figueiredo)
"A sombra do vento", "O jogo do anjo" e "O prisioneiro do céu" (Carlos Ruiz Zafón)
"Mars Tua, Vita Mea" (Vanessa Santos"
... e mais uns quantos que, de certeza, se irão atravessar no meu caminho, ehehehe.



sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Gulosa como sou ...

... gostei muito deste bolo de banana e flocos de aveia. Basicamente segui a receita do blog http://www.organizaracasa.com , fazendo algumas alterações com produtos que já tinha em casa.  Apesar de não ser fundamentalista com a alimentação, senti que estava a comer um docinho que, ainda por cima, é nutritivo (leva bananas, flocos de aveia, mel, nozes picadas e inteiras para enfeitar, gengibre, canela e óleo de côco). Comi uma fatia antes de ir para o ginásio e parece que até fiquei com mais energia (eu sei... deve ter sido psicológico eheheheh).

Qual é o valor de um livro?

Aqui está um exemplo muito interessante de serviço público e também um teste ao civismo dos cidadãos. Muito bom! 

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Podia ser eu...

Há imagens/fotos que me fazem sentir automaticamente bem. Quando vi esta imagem na internet, pensei logo que podia ser eu, queria ser eu... um livro numa mão e o capuccino (que chique) na outra. Bem bom!

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Guloseimas


Parecem bombons de chocolate, mas não são. Foram feitos com tâmaras, nozes e manteiga de amendoim... e passaram no teste da gulosa (eu). Gostei de tudo, textura e sabor, além de que são uma alternativa saudável para sobremesas e lanches. Usei a receita do blog   http://fromportugaltonyc.blogspot.pt  (Portuguese Girl With American Dreams). 

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Uma mesa nova


O tampo da minha mesa, em fórmica, estava de tal forma danificado que tive de o remover. E assim esteve durante uns tempos... uma toalha tapava as mazelas e nunca mais pensei no assunto. Até que, a artesã da família ( a minha irmã) decidiu dar uma nova vida a esta mesa. O resultado final é o que se vê nas fotos. Ainda faltam uns acabamentos, mas está espetacular! Deu uma nova vida à minha cozinha. 

sábado, 15 de outubro de 2016

Na sombra da minha irmã (The opposite of me)


Gostei. É uma estória simples, mas que me deixou a pensar sobre algumas coisas. Lindsey vivia obcecada pelo trabalho, dava tudo por tudo pela grande empresa... até ao dia em que foi despedida que, por acaso, foi o melhor que lhe aconteceu. Este acontecimento, inesperado, levou-a a enveredar por uma profissão totalmente diferente e por um ritmo de trabalho saudável. Não é que ela não gostasse do que fazia antes, porque gostava, mas já não era feliz a fazê-lo naquelas condições perfeitamente alucinantes. Só mesmo a sua sede de poder e a vontade de mostrar ao mundo quão importante era, a tinham levado a escravizar-se daquela forma... isso e um salário para lá de chorudo que, diga-se a verdade, lhe permitiu encarar a mudança de vida de outra forma. A juntar a isto, Lindsey vivia em competição constante com a irmã gémea. Na tentativa de marcar a diferença, sendo o oposto da irmã, Lindsey quase anulou a sua personalidade. No entanto, um acontecimento dramático (acho que era desnecessário, mas percebo a intenção) vai   alterar novamente a ordem das coisas. Mas não se preocupem, porque este é um daqueles livros em que tudo acaba bem (ou quase bem).

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Santuário (The Loney)

Não gostei. Está muito bem escrito. Aborda questões muito profundas sobre a Existência, mas deixou-me desalentada, deprimida e, para isso, não preciso de ajuda. Pois, se calhar não sou nenhuma intelectual ou se calhar, estou simplesmente esgotada, graças ao meu maravilhoso trabalho. Seja como for, não é deste tipo de leitura de que preciso  neste momento. Quero estórias que me façam rir, que me façam ter esperança, que me façam viajar, que me façam suster a respiração, que me façam sentir bem. Estou cá desconfiada, ao olhar para a pilha de livros em fila de espera, que alguns não serão bem aquilo que eu pensei quando os comprei (já vi as opiniões em alguns blogs e ...). Há quem compre roupa ou sapatos por impulso, eu compro livros. Sou atraída pelas capas e pela vontade de experimentar novos autores e depois dá no que dá. Fica aqui o compromisso de fazer uma pesquisa cuidadosa antes de adquirir novos livros.
Entretanto, sem que eu tivesse feito alguma coisa (juro), desapareceu a lista dos blogs que eu andava a seguir, assim sem mais nem menos. Mas esta coisa tem vida própria?

sábado, 10 de setembro de 2016

Não digas nada (The good girl)

Mais um thriller psicológico. Mais uma vez, a estória não tem nada de novo e até é previsível, mas está muito bem contada. Prende desde o início, não nos deixando ficar indiferentes. Curiosamente, a minha personagem "ódio-de-estimação" foi precisamente a Mia. Embirrei com ela desde o início. Achei-a muito sonsa e à mãe dela também. 

sábado, 3 de setembro de 2016

Teia de mentiras (Missing Pieces)

Uma teia de mentiras lança o caos numa pequena cidade rural. O problema das mentiras é que, como diz o provérbio, "têm perna curta". Mesmo assim, esta bem urdida teia ainda consegue fazer muitos estragos numa família. A dada altura descobri quem foi (aposto sempre no elemento menos provável, eheheh), mas não conto...

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Irmãs (The sisters)

Mais um de leitura compulsiva. Cumpre na perfeição a sua função como thriller psicológico. Apesar da estória em si não constituir nenhuma novidade, está muito bem contada. Depois de ter lido o livro, o título adquiriu um significado diferente daquele que eu lhe tinha atribuído inicialmente. Ai que vontade de falar mesmo do livro. Acho que vou começar a colocar um alerta, para quem ainda não leu os livros.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Vidas roubadas (Pretty baby)

Lido em menos de dois dias. Cativou-me desde o início. É de leitura compulsiva. O título em português foi muito bem escolhido (geralmente, isso não acontece) e, depois de ter lido o livro, percebi muito bem porquê. É uma estória chocante embora as situações relatadas aconteçam mesmo. Existem monstros, isso é um facto. É pena não haver caçadores de monstros. Deixa-nos a pensar como é que um conjunto de pessoas, com tão boas intenções, conseguiram fazer tanto mal.
O final é o possível para este tipo de estória. Leiam!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ondas de calor (Heat wave)

Nem sei o que me deu para comprar este livro. Acompanhei a série televisiva desde o início e, sem exagero, adorei cada minuto. Ver esta série, acompanhada de uma guloseima, foi um ritual que segui durante muito tempo e, agora que acabou, sinto a falta desses momentos. O que me cativou não foram propriamente os enredos policiais, mas sim o sentido de humor e o carisma do ator que fez de Castle. Além disso, aquele grupo (detetives e família do Castle) via-se sempre metido em situações mirabolantes e hilariantes. Por isso, o livro foi uma grande deceção. Tudo na estória parece demasiado forçado e básico, até as tiradas humorísticas. Não me cativou nem um pouco.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Verdade escondida (Don`t you cry)

Uma pessoa má desde a nascença, com uma maldade que prejudicava tudo e todos em seu redor, conduz a uma decisão drástica. Anos mais tarde, esta sombra retorna, agora com a manha e a dissimulação adquiridas ao longo dos anos. E, mais uma vez eu pergunto, o que é que fazemos com esta gente? Não acredito em reinserção ou reabilitação para estes casos (como tantos outros). As vidas deles não são mais importantes do que as das suas vítimas.

domingo, 21 de agosto de 2016

Numa floresta muito escura (In a dark, dark wood)

Numa floresta muito escura, alguém com uma mente ainda mais escura, encena um sinistro reencontro de "amigos". Claro que tudo vai acabar da pior maneira possível para a pessoa mais ingénua (?) do grupo. Manipulações maquiavélicas e amizades tóxicas só poderiam ter este final. Na verdade, esperava mais deste título, muito mais.

sábado, 20 de agosto de 2016

Delicious!

Sou muito gulosa, embora não seja comilona (de acordo com os meus critérios, ahahah) e, como tal, fui intervalando as deambulações pela bonita cidade de Braga com momentos gastronómicos (alguns exemplos, só para abrir o apetite).




 Os manjares seguintes são da minha autoria (fiquei inspirada pelo passeio).




sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Bons momentos!

 Jardim de Santa Bárbara
 Descobri que gosto de nutella avelãs!

 Se não me engano, este monumento fica perto da Sé.
 Imaginação!
 Adoro andar nestes comboios!
 Gelado de tangerina. Delicioso!

 Gostava de ter uma destas bonecas, mas ...
 Cuidado com o dragão!
 Adorei a visita guiada a este teatro!
 Jardim botânico no Museu dos Biscainhos.
 "Puxadores" da porta do Theatro Circo.

 Casa dos Crivos
 Também acho!